segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Medo - Mudo - Surdo

Todo mundo nasce e todo mundo morre

E no caminho a gente sente medo

Só que medo do medo, nunca mais

Pra que parar no meio se pra lá tem mais?

Você já sabe como veio.

Não ressinta o receio, é hora de se mostrar

A paz do equilibrista é o movimento, o que faz o vento é nunca estar em paz

Vida é nada mais do que momento, quando é mansa, cansa e não te satisfaz

A gente sente quando anda em brasa e quem aguenta ver o tempo só passar

Nunca aprende realmente, só se atrasa

Não há mal que sempre fique e nem bem que não retome o posto

Ou mal gosto que perdure estampado no meu rosto

Prefiro o rosto limpo de lágrimas

Àquele falso sorriso que me esconde de perder

Cabe o infinito no meu peito

E se não for desse jeito, ainda sei que vai ser.

4 comentários:

Sr. Cafécoólatra disse...

Eu poderia começar a divagar aqui, como eu costumo fazer em quase todos os meus comentários, mas não comecei a escrever pra isso.
Eu simplesmente "adorei" o texto, por mais que essa não seja bem a palavra mais exata para o meu sentimento em questão.
Não pare de postar, não pare de se questionar, não pare de andar...
Forte abraço e um até logo ^~^

Caio Nehru disse...

click aqui e mude você tambem: mudei a cor do meu Facebook 5 cores http://fb-facebook-cores.blogspot.com/ podem clicar :)

Naírla Silva disse...

Seu texto é mto bom.. faz a gente pensar.. e querer ler de novo. bjs


http://www.coposcheiosdevodkaerocknroll.blogspot.com/

Bruna Araújo disse...

Adorei o blog, muito lindo, amei tudo. Parabéns mesmo, vou sempre estar aqui (:

ontendency.blogspot.com

Postar um comentário