terça-feira, 7 de setembro de 2010

Egocentrismo conturbado


Refrigerante de uva.
É Setembro, mas o frio ainda é duro.
Queria sair, mas pra onde? Quem sabe,ver mais do mundo.
Há tanto pra se ver, e eu aqui, me entendendo.
Não sei mais o que pensar. Já esgotei meu limite.
Sim, e vc admite. Não dá, eu sei que não.
Mesmo assim eu insisto, penso em dias de paz.
Dias de glória, e dias de solidão.
Esses dias existem. Preparação é a palavra.
Mas me preparar para o quê, se conheço pouco do desconhecido?
Tenho tentando, não consigo.
Sei que a vida é mais que tudo isso.
Desejei respostas.
Com o tempo elas virão, mas desejei elas agora.
E esse tempo, que só sabe correr pra frente, não me deixa pensar no passado. Há muito a se fazer, e é verdade.
Esse medo só aumenta.
Eu sei, e disso tudo quero mais.
A cidade está envolta num breu.
Não enxergo.
Como se eu sempre enxergasse.
A convivência tem sido difícil.
Pessoas mudando. E eu, sempre a mesma… Mimada, tosca.
Com as velhas opiniões e a intolerância à brincadeiras.
Agora a tempestade vem chegando.
Melhor me preparar pra isso também.
Esses meus dias normais...
Não é fácil encará-los. Amém.