segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Uma nova história

“Quem tem um sonho não dança” - Palavras do Cazuza, meu poeta amado, tradutor das inquietudes de uma geração. Com toda loucura, ele encontrou seu lugar na vida de compor e cantar. E mostrar sua cara e nos chamar à não hipocrisia. E fez sua história.Cito-o porquê sigo muito preocupada com o numero de crianças e a adolescentes perdidos de si, que perdem a vida para o crack e outras formas suicidas de existir. Em muitas cidades continuam a crescer os casos de jovens que desistem , não suportam (sabe–se lá que nível de angustia), e dão fim a seu calvário.O que está acontecendo?Segundo os princípios africanos, não me lembro agora de que nação é o fundamento:“é preciso toda uma aldeia para se educar uma criança”.Então conclamo à todos a arregaçarem as mangas e tentar orientar um jovem por dia.Seja primo, sobrinho, irmão, amigo, filho de amigo.Não temos uma cultura reflexiva, onde reafirmamos nossa identidade e nos reconhecemos. Vale explicar direitinho para uma criança ou um jovem o rumo de sua ação. Eles prestam atenção quando somos bons explicadores e quando fica claro que estamos do seu lado.Vejo um desamparo geral dos que, por nós criados, seguem sendo analfabetos de si e do mundo.Se repararmos, no caminho do malfeito desse ou daquele menino , tem sempre um adulto que falhou com sua ausência resultada em abandono. Ou com sua nociva presença cheia de obstruções, conselhos visando só ganhar dinheiro, ainda que isso custe o preço de nosso melhor sonho.Um jovem é diagnosticado como tal exatamente pela sua potencia romântica, seu coração destemido e quixotesco e pela sua confiança na própria capacidade de mudar o mundo. Não esfacelemos sua esperança. Muitas vezes quando confessa: "pai, quero estudar agronomia mas quero trabalhar com os sem terra, fazer horta comunitária", o pai enlouquece:__“Mas que palhaçada é esta?! Roça comunitária é coisa de vagabundo. Já viu isso dar dinheiro? Você tem que pensar é no seu, seu babaca!”É em casa que se escuta este tipo de pensamento de consequências desastrosas.Botam um menino desses, que nasceu com coração descalço, enfiado num terno numa loja, num shopping ou na empresa do pai, que muitas vezes, sem ninguém se dar conta do enredo, começa a falir. Esqueceram de perguntar a este jovem quais são os seu desejos, suas vocações, suas inclinações.Estamos, adultos e experientes, em condição privilegiada em relação aos que vieram depois de nós. Podemos ajudá-los a ampliar as pistas para chegar a si mesmos e, com estas informações, se disponibilizarem a conhecer o outro e seu mundo.Um homem que tem intimidade com seus fluxos de ser e que se torna conhecedor de suas margens, logo encontra seu sonho e com ele navega. Em suas águas outros sonhos encontra e por eles peleja, luta, e com eles verdeja.O sonho é âncora , bússola. Sem ele ir aonde? Porquê? Para quê?Pois está se matando quem não suporta um não,uma rejeição, uma intempérie, uma tristeza:quem não se recuperou de seu abandono,quem tem tudo e vive desnutrido de afeto;quem não tem quem diga: "vem cá meu filho, vou te ajudar a encontrar tuas habilidades.” É triste encontrar um e menino de vinte anos cujo único sonho é “trocar seu carro novo por um novo carro novo”Pedófilos, corruptos, mafiosos, sádicos, ladrões e assassinos foram, geralmente, crianças que, por algumas mãos adultas, tratadas, forjadas, ensinadas assim. Parece triste o que digo, mas o que estou dizendo é que tem jeito. Esse assunto de educação não é sorte. Dá para se prever o futuro de um cidadão,se no presente o construirmos.Ai meus amigos, tanta coisa está em jogo! Amamentação amorosa, o jeito como pegamos uma criança no colo, o quanto a amparamos, o quanto de apoio damos à pequena coluna desse bebê pra que ele consiga erguer-se . Claro que há os que não tiveram nada destas estruturas seguras e que no entanto se reinventaram e dão um baile no caldeirão das probabilidades. Mas quem puder que garanta já uma boa infância aos seus rebentos e aos que, nem que seja por algumas horas, passem sob seus cuidados. Sempre há um jeito para os vivos.Não se matem, meus amores,escrevam melhores capítulos.Temos medo do fracasso, medo de não agradar, de não representarmos importância no coração de papai, mamãe, nem ninguém. Por isso somos todos sobreviventes de alguma dor, de um vicio , uma paixão, uma rejeição Para todos estes infortúnios, um só antídoto: agarre na mão do sonho.Através dele se procure, se compreenda,se acolha onde o amor faltou. Pois atenção esteticistas, massagistas, enfermeiros, eletricistas, marceneiros, cozinheiros, pintores, costureiros, médicos, músicos, professores, artistas: tudo é igualmente importante para o mundo e todos podemos ser brilhantes em cada trabalho que de nós merecer dedicação natural.Porque dá caminho e luz , o sonho é o sol.Vá tomar seu banho. É direito do povo.E aí teremos uma história de verdade pra contar!

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Saudade...

Do tempo que brincava na rua, até tarde da noite.De quando minha irmã e eu contávamos nossas moedas, e locávamos um filme do Harry Potter;De dormir na casa das minhas amigas,Saudade do tempo em que eu era a única na turma que sabia ler, enquanto os demais só olhavam as figuras…Do tempo em que ia pra escola de bicicleta..De ficar acordada até madrugada ouvindo música e imaginando cenas de filme;De viajar de carreta.De realmente me impressionar com algo; Saudade de quando eu ria de verdade, e não por um teclado.De reunir a galera, e aproveitar uma festa até ter de carregar alguém pra casa..De não me preocupar com o que vestir..De ter animais,Saudade de ajudar no serviço e correr pra assistir scooby doo.De visitar a praia uma vez por semana..Saudade de quando eu me achava preparada para o que estivesse por vir…Saudade de quando eu realmente sabia de alguma coisa...Saudade de deitar-me na grama, e ficar procurando desenhos no céu,Sinto muitas saudades da época em que eu não tinha trilhões de coisas na mente pra me confundir..Saudade também, de ter vocês pra mim.Realmente, me pego pensando cada coisa… Eu estava imaginando o quão grande é o universo. Concerteza você sabe disso, mas não deve se lembrar. Imagina só, tirando o Thiago Mart, de Marte não se conhece mais ninguém!Então, se tivemos a oportunidade de estar num lugar exclusivo, por que disperdiçá-la jogando a vida fora? Não entendo os motivos para as pessoas desistirem dos seus anseios. Realmente, sempre haverá dificuldade, mas com força de vontade e um pouco de ajuda, você sempre chega onde quer. As pessoas desistem fácil. Isso não me agrada. Prefiro os que morrem tentando aos que ficam sentados esperando as coisas cairem do céu. Pra falar a verdade, nem mesmo a chuva cai do céu. Ela cai das nuvens. Nuvens essas que ficam muito abaixo dos sonhos das pessoas. Sonhar alto. O melhor pra se fazer. Se você sonha baixo, estará se contentando com o que você irá receber. E deixando de fora os prêmios de loteria.. Você não receberá muito! Mas quando se sonha alto, você deseja. E o desejo te faz correr atrás do que se quer. Eu corro atrás do que eu quero. Felicidade. A felicidade tem de estar presente nas nossas vidas. Sempre! De que adianta trabalhar com algo que não te faça feliz? Ficar com quem não te deixa bem?Então me digam, quais são seus sonhos, vocês apostam no futuro e vão em busca dos mesmos? A felicidade não está no ponto de chegada, e sim na jornada.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Decisões e Sentimentos

É por meio de sorrisos largos e incontáveis falsos sentimentos que sigo por corredores mal iluminados onde a luz deveria fazer-se mais presente. A escuridão, pobre e doce menina, não é a culpada. Quanto mais caminho pela estrada de tijolos amarelos, mais distante fico de mim.Já fiz tantas mudanças interiores que perdi as contas de quantas vezes fugi de uma grande verdade,a de que quando me perco dentro das pessoas,vejo muito mais do que sentimentos expostos e corações feridos.Vejo suas almas,seus medos,receios e quando vou bem fundo no olhar tímido e vago que a maioria dispõe,encontro o receio acoplado com angústia.Há certas coisas da vida, que a gente só encontra em determinados lugares, determinadas ações. Não costumam ser difíceis de achar. Lá estão elas, apenas esperando que você as encontre. É como um jogo de esconde-esconde, que não precisa acabar. A felicidade, por exemplo, está escondida atrás de coisas simples, como um sorriso, uma palavra. Não é necessario ir longe, você pode não perceber, mas ela já está com você. Mesmo assim, sempre fica faltando uma parte, um pedaço dela. É um quebra-cabeças diferente. Você não tem de montá-lo como a caixa explica, deve ir além do que ”O Fabricante” espera. Deve encontrar mais do que cabe em você. Num dia você acha uma peça importante, como aquele amor que há tempos procurava. Noutro, esquece onde deixou seu carinho pelos amigos… Assim é a vida. A felicidade não virá até você, mesmo estando tão perto. Às vezes, com um único passo, se encontra o rumo.Não há infelizes. Há os que resolveram parar de “brincar”. A busca por ela, também pode cansar. Mas, sem ela, como seria a vida? Se não encontras felicidade no que faz, não há por que fazê-lo, né? Ahh, aí que entra a obrigação. Todos fazem coisas que não queriam fazer. Essas coisas, que muitas vezes não te agradam, tem o papel de formação. Elas constróem o caráter, enobrecem o indivíduo. Elas só o ajudarão!Estou lhe oferecendo a caixa. As peças já foram espalhadas.. Por aí! Escolha, quer brincar comigo?

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Muito Pouco

E essa necessidade de explicar tudo? Essa vontade de mudar as idéias das pessoas? Dizem que o mundo seria uma droga se todo mundo pensasse igual. Rá! Sendo assim não vejo o porquê da teimosia.Alguns pensam assim, outros assado. Ok! Assunto encerrado.Ráá, pegadinha do Malandro! Sempre tentamos fazer os outros pensarem como nós, quando o único direito do indivíduo, não expresso, é ser livre pra pensar. Acredito que o passado tenha influenciado na forma de pensamento dos seres humanos. Pobre Galileu, que nem mesmo desse direito pôde sentir deleite.Por muito tempo vozes foram caladas por meros canastrões, aproveitando as deixas que lhes eram reveladas. O pesar disso tudo, caros amigos, é que mesmo com o passar do tempo, e a descoberta dos poderes do homem, ainda existem mentes pequenas, desprovidas de visão. Duvido que comeriam algo já mastigado. Infelizmente, o fazem.A arte de enxergar num muro branco mais do que a tinta, essa eu domino.Ditados se anulam, por isso ajo por impulso, e faço o melhor para o momento, na minha opinião, é claro.O estado da normalidade é uma mera fomalidade com a qual queremos lidar. Não é possível ser o mesmo sempre, embora muitos tenham tentado. Para tanto, fingem usar uma armadura, que se quer uma lança transpõe. Cravaria uma adaga em seu peito, por diversão, só pra ver algum sentimento jorrar das veias.Se negar tudo ajudasse de alguma forma a encontrar um meio de abrir o peito, já teria o feito. Embora seja fácil a pobre escritora falar de sentimento, a dificuldade de encontrar a verdade nas palavras delata um ser que manda fazer, mas não o faz.Tanto tempo convivendo não com pessoas erradas, mas também não as certas. Escolhas foram feitas, o tempo me provará se erradas ou não. Voltar atrás também é seguir em frente.Embora não esteja, nem planeje escrever um romance, sou um clichê. Previsível… (Onde está o dicionário que estava aqui? Por que a Jéssica mexe em tudo?) Sou movida a pensamentos comuns, porém um pouco mais aprofundados. Sinto a necessidade de adivinhar.Sou careta. Em um tempo em que tudo pode ficar pronto em três minutos, prefiro me dispor a remexer a colher na panela, se é que me entendem.É bom estar de volta. Não que tenha viajado, talvez sim, pro meu lugar, pra mim. Voltei sabendo mais. Aprendi a dividir as coisas. Razão e coração, só se pode usar um de cada vez. Fazer sempre pelo que é certo acaba dando em erros.Algumas coisas devem ser repetidas, outras esquecidas. As que sobrarem, saboreadas. Bon appétit.