segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Uma nova história

“Quem tem um sonho não dança” - Palavras do Cazuza, meu poeta amado, tradutor das inquietudes de uma geração. Com toda loucura, ele encontrou seu lugar na vida de compor e cantar. E mostrar sua cara e nos chamar à não hipocrisia. E fez sua história.Cito-o porquê sigo muito preocupada com o numero de crianças e a adolescentes perdidos de si, que perdem a vida para o crack e outras formas suicidas de existir. Em muitas cidades continuam a crescer os casos de jovens que desistem , não suportam (sabe–se lá que nível de angustia), e dão fim a seu calvário.O que está acontecendo?Segundo os princípios africanos, não me lembro agora de que nação é o fundamento:“é preciso toda uma aldeia para se educar uma criança”.Então conclamo à todos a arregaçarem as mangas e tentar orientar um jovem por dia.Seja primo, sobrinho, irmão, amigo, filho de amigo.Não temos uma cultura reflexiva, onde reafirmamos nossa identidade e nos reconhecemos. Vale explicar direitinho para uma criança ou um jovem o rumo de sua ação. Eles prestam atenção quando somos bons explicadores e quando fica claro que estamos do seu lado.Vejo um desamparo geral dos que, por nós criados, seguem sendo analfabetos de si e do mundo.Se repararmos, no caminho do malfeito desse ou daquele menino , tem sempre um adulto que falhou com sua ausência resultada em abandono. Ou com sua nociva presença cheia de obstruções, conselhos visando só ganhar dinheiro, ainda que isso custe o preço de nosso melhor sonho.Um jovem é diagnosticado como tal exatamente pela sua potencia romântica, seu coração destemido e quixotesco e pela sua confiança na própria capacidade de mudar o mundo. Não esfacelemos sua esperança. Muitas vezes quando confessa: "pai, quero estudar agronomia mas quero trabalhar com os sem terra, fazer horta comunitária", o pai enlouquece:__“Mas que palhaçada é esta?! Roça comunitária é coisa de vagabundo. Já viu isso dar dinheiro? Você tem que pensar é no seu, seu babaca!”É em casa que se escuta este tipo de pensamento de consequências desastrosas.Botam um menino desses, que nasceu com coração descalço, enfiado num terno numa loja, num shopping ou na empresa do pai, que muitas vezes, sem ninguém se dar conta do enredo, começa a falir. Esqueceram de perguntar a este jovem quais são os seu desejos, suas vocações, suas inclinações.Estamos, adultos e experientes, em condição privilegiada em relação aos que vieram depois de nós. Podemos ajudá-los a ampliar as pistas para chegar a si mesmos e, com estas informações, se disponibilizarem a conhecer o outro e seu mundo.Um homem que tem intimidade com seus fluxos de ser e que se torna conhecedor de suas margens, logo encontra seu sonho e com ele navega. Em suas águas outros sonhos encontra e por eles peleja, luta, e com eles verdeja.O sonho é âncora , bússola. Sem ele ir aonde? Porquê? Para quê?Pois está se matando quem não suporta um não,uma rejeição, uma intempérie, uma tristeza:quem não se recuperou de seu abandono,quem tem tudo e vive desnutrido de afeto;quem não tem quem diga: "vem cá meu filho, vou te ajudar a encontrar tuas habilidades.” É triste encontrar um e menino de vinte anos cujo único sonho é “trocar seu carro novo por um novo carro novo”Pedófilos, corruptos, mafiosos, sádicos, ladrões e assassinos foram, geralmente, crianças que, por algumas mãos adultas, tratadas, forjadas, ensinadas assim. Parece triste o que digo, mas o que estou dizendo é que tem jeito. Esse assunto de educação não é sorte. Dá para se prever o futuro de um cidadão,se no presente o construirmos.Ai meus amigos, tanta coisa está em jogo! Amamentação amorosa, o jeito como pegamos uma criança no colo, o quanto a amparamos, o quanto de apoio damos à pequena coluna desse bebê pra que ele consiga erguer-se . Claro que há os que não tiveram nada destas estruturas seguras e que no entanto se reinventaram e dão um baile no caldeirão das probabilidades. Mas quem puder que garanta já uma boa infância aos seus rebentos e aos que, nem que seja por algumas horas, passem sob seus cuidados. Sempre há um jeito para os vivos.Não se matem, meus amores,escrevam melhores capítulos.Temos medo do fracasso, medo de não agradar, de não representarmos importância no coração de papai, mamãe, nem ninguém. Por isso somos todos sobreviventes de alguma dor, de um vicio , uma paixão, uma rejeição Para todos estes infortúnios, um só antídoto: agarre na mão do sonho.Através dele se procure, se compreenda,se acolha onde o amor faltou. Pois atenção esteticistas, massagistas, enfermeiros, eletricistas, marceneiros, cozinheiros, pintores, costureiros, médicos, músicos, professores, artistas: tudo é igualmente importante para o mundo e todos podemos ser brilhantes em cada trabalho que de nós merecer dedicação natural.Porque dá caminho e luz , o sonho é o sol.Vá tomar seu banho. É direito do povo.E aí teremos uma história de verdade pra contar!

7 comentários:

Carol disse...

Post complexo esse hein...
Mas entendi muito bem o sentido e concordo plenamente que em casa a base deve ser feita de amor e carinho

Diego disse...

Acho que vc foi dura demais...Nem todos os marginais que estão por aí se tornaram o q são por causa de exemplos em casa,ou coisas do genero,isso vem do caráter também.

Amanda Acetti disse...

Acho que vc interpretou o texto de forma equivocada,em momento algum foi generalizada a criação que se recebe em casa ser de fato a causadora de certos comportamentos,tanto que houveram ressalvas.A idéia é muito clara:Cuide com amor dos seus,pois,esse carinho,essa dedicação pode fazer a diferença em momentos cruciais.

Naírla Silva disse...

Concordo com o texto.. e temso que ressaltar isso não só em casa mas nas escolas tbm.. temos que cuidar das pessoas q nos rodeiam para tentar "salvar" pelo menos alguns. bjs

http://coposcheiosdevodkaerocknroll.blogspot.com/

Kellerman Curse disse...

muito bom esse blog ai...

Priscila ^^ disse...

Seguindoo

Tallison disse...

Mais um belo post...gosto d + do teu blog...

Postar um comentário